quarta-feira, 19 de agosto de 2009

crônicas dos rabiscos no caderno

.O bar do filho do gordo

Alziro o chamava de filho do gordo, então devia ser gordo também, mas ainda assim filho, sabe? Mais filho que gordo eu acho... como aqueles filhos que usam capacete para andar de bicicleta e pé de pato na piscina. Mas devia ser adulto, pois já tomava cerveja com Alziro, e Alziro já tinha seus 30.
Sabe-se que o gordo tinha um bar, frequentado por universitários boêmios daquela quadra uns 20 anos atrás, e que depois que morreu, o filho dele tocou o negócio. Por isso o nome, filho do gordo, seu nome mesmo ninguém lembra. Mas todos dizem que, assim como na época do pai, o bar era meio grotesco, sujo. Tudo era engordurado, a teoria predominante era de que o filho do gordo beliscava o pernil do balcão e não se importava em limpar a mão para servir os copos. Da primeira vez que foi no bar, Alziro pediu um pão com fatias de pernil e limão, o filho do gordo pegou as fatias com as mãos, abriu o pão entre os dedos, limpou a mão na camisa, misturou tudo e serviu, Alziro disse que comeu, porque macho que é macho come o sanduiche do filho do gordo!
Alguns dizem que o filho do gordo é nojento só para manter o negócio, sabe? Os amigos de Alziro seguiram o filho do gordo durante uma semana, e disseram que a casa dele é impecável e que a própria cozinha do bar era um brinco, mas quando ía para o balcão colocava aquele avental encardido e fazia cara de gordo, para manter a imagem que o pai dele teve tanto trabalho em construir. A imagem de bar de macho, de macho que come com a mão, bebe na garrafa e cospe no chão!

.O homem magro


Quando falavam homem magro, não importava qual fosse o contexto marrie logo imaginava aquele homem magro. Era o estereótipo do que ela achava que devia ser um homem inglês. magro, alto, meio curvado para trás de desequilibrio, com uma cartola e terno de seis botões, e, é claro, um guarda-chuva fechado só para apoiar. E ele vinha todo rachurado (expressão originada da frança, mas o homem era inglês!) usava aqueles óculos redondos e pequenos e não sabia muito bem o que estava fazendo ali parado entre as linhas daquele caderno, mas não porque não tinha nada pra fazer. Ele tinha caminhado até alí com um propósito, mas quando chegou esqueceu o que era. O caderno de marrie tinha esse poder de fazer qualquer um esquecer porque tinha aparecido ali. Mas enfim, era uma inevitável associação agora para a marrie a figura daquele rabisco perdido as palavras homem magro.

4 comentários:

Priscila. disse...

O Filho do gooordo!
Como algum dia eu pude esquecê-lo.

Tainá Lima disse...

A-mei.
o filho do gordo...as vezes estereótipos são necessários, nem que seja para manter um legado, coisa de macho, coisa que só quem tem capacidade de percepção pode descrever.

bju Mônica

Valquíria Luna disse...

Apresenta-me ao Filho do Gordo e ao homem magro desmemoriado. Os dois personagens são belíssimos, "superbe".

Nica disse...

créditos das gravuras para a autora, eu ^^